terça-feira, 29 de dezembro de 2009

POESIAS DE LADY RUDGEN...SWEET DREAMS


  
SWEET DREAMS




SONHAR É ENTRAR EM UM MUNDO MÁGICO..
LOCALIZADO NO INFINITO...
É VOAR PELAS ASAS DA IMAGINAÇÃO..
É ABASTECER O CORAÇÃO DE ESPERANÇAS.




SONHAR É PODER REALIZAR DESEJOS SECRETOS..
TÃO SECRETOS QUE NEM NÓS MESMOS SABEMOS QUE O TEMOS..
É GARANTIR A FELICIDADE ....
AO ACORDAR E RELEMBRAR.




SONHAR É ACALENTO, ALIMENTO PARA A ALMA..
É GARANTIR DIAS MELHORES...
DE QUE OS DOCES SONHOS QUE TEMOS ...UM DIA SE REALIZARÁ...




"COMO É BOM SONHAR"

POESIAS DE LADY RUDGEN ...NA BRISA DO VENTO..





NA BRISA DO VENTO

FECHE OS OLHOS E..
SINTA A BRISA DO VENTO EM SUA FACE...
SINTA O BALANÇAR DE SEUS CABELOS..
NA BRISA DO VENTO.


CURTA ESSE MOMENTO E DESEJE..
QUE O TEMPO PARE..ESVAZIE
A MENTE E COMTEMPLE,
A BRISA DO VENTO.


SINTA QUE ELA TRAZ LEMBRANÇAS..
SONHOS..DEVANEIOS..ESPERANÇA..
MAS TAMBÉM TRAZ ANSEIOS....


MAS O IMPORTANTE É REFLETIR..
É USAR A BRISA DO VENTO PARA ENTRAR EM 
HARMÔNIA CONSIGO MESMO ..E VIVER PLENAMENTE..!!

 BY LADY RUDGEN..

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

NEM TUDO QUE RELUZ É OURO








NEM TUDO QUE RELUZ É OURO

QUATRO VASOS...SENDO QUE UM.. É DE FERRO, O OUTRO DE COBRE....MAS UM DE PLÁSTICO...E OUTRO DE OURO..
O SER HUMANO COM A COBIÇA QUE TEM....


SEMPRE OPTA  PELO MAIS CARO E VALIOSO...(O DE OURO)...DESPREZANDO SEUS VALORES HUMANOS....MAL SABEM ELES QUE A BELEZA DAS COISAS ESTÃO E RECIPIENTES SIMPLES....

OS QUATRO AMIGOS...CADA UM OPTOU POR UM VASO...O MAIS ESPERTO PELO DE OURO...O SEGUNDO PELO DE COBRE...O TERCEIRO PELO DE FERRO...

O QUARTO AMIGO..SEM ESCOLHA..OPTOU PELO DE PLÁSTICO..!! O PRIMEIRO ACHOU UMA COBRA NAJA QUE O PICOU ...IMEDIATAENTE O SEGUNDO UM ESCORPIÃO QUE O MATOU EM HORAS...O TERCEIRO UMA ARANHA QUE O DEIXOU CAMBALEANDO...MAS O TERCEIRO...ACHOU A MAIS BELA DAS JÓIAS...O DIAMANTE COR DE ROSA....

"ISSO DEMONSTRA QUE NEM TUDO QUE RELUZ É OURO"

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

OS ESPINHOS DAS ROSAS....




OS ESPINHOS DAS ROSAS...


AS ROSAS TEM MUITOS SIGNIFICADOS
BRANCAS...AMIZADE....AZUIS...RARIDADE...
AMARELAS SOLIDARIEDADE.....
VERMELHAS ...AMOR!!!!


TODAS ELAS SÃO DE UMA BELEZA ESTONTEANTE
QUAL MULHER NÃO GOSTARIA DE GANHAR UMA ROSA?
MUITASS...!!! TAL COMO A MULHER AS ROSAS POSSUEM..
SUAS ARMAS...

AS ROSAS TEM SEUS ESPINHOS QUE APESAR DA BELEZA E PERFUME
DE SUAS FLORES...SE NÃO TRATÁ-LAS BEM....ELAS O MACHUCAM
COM SEUS ESPINHOS...ENQUANTO A MULHER BELA, SEDUTORA, ENVOLVENTE..

SEMPRE ESCONDE UM ESPINHO POR TRAZ DE TANTA BELEZA E PERFUME NATO...
QUE TODA MULHER POSSUE..POR ISSO NÃO BRINQUE COM OS SENTIMENTOS DE
UMA MULHER. .. ELA PODERÁ TER ESPINHOS MAIS VENENOSOS DO QUE UMA ROSA...


BY LADY RUDGEN



quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

ANGELA MIGUEL...MEU ORGULHO.....MINHA ALUNA...MINHA AMIGAAA ...PRECISA DIZER MAIS.....




ANGELA....

MENINA ..MULHER...AMIGA...UMA PESSOA MARAVILHOSA..
NOME DE ANJO...".É UM ANJO"..QUE DEUS DEIXOU CAIR DO CÉU...
PARA UA MISSÃO MUITO IMPORTANTE AQUI NA TERRA....
AMOR O PRÓXIMO E ILUMINAR COM SUA LUZ BRILHANTE...


BELEZA NÃO CONTA....POIS ESTÁ NO SEU INTERIOR....
PODEMOS VER ATRAVÉS DE SEUS ATOS ...DE SUA ALMA...
MINHA AMADA AMIGA.. TÃO JOVEM....COM UMA GARRA
E SENSIBILIDADE ...QUE SOMENTE OS ANJOS POSSUEM..


CAPACIDADE DE AMAR O PRÓXIMO...SE DOAR
ANGELA ....DERIVADO DE ANGELUS....ÉS NA TERRA...
O QUE O MUNDO PRECISA......


UM ANJO CAÍDO DO CÉU ...COM SUA CAPACIDADE DE VENCER...
INCONFUNDIVÉL....MAS SUA CARINHA ....TEM A CAPACIDADE
DE DEMONSTRAR A ADULTA QUE ÉH ....TE ADORO HJ E SEMPRE ,,,,MINHA AMIGA...



BY LADY RUDGEN



" ELA COM SUA FORÇA DE VONTADE PARTICIPARÁ DOS TEXTES FINAIS DO CLOBAL CLASSROM  ...BOA SORTE ANGELA ESTOU AQUI TORCENDO POR TI...TRAGA PARA NÓS ...O TROFÉU ...O MOSTRE QUE SER HUMILDE .NÃO HÁ EMPECILHO PARA NADA...."



terça-feira, 15 de dezembro de 2009

HOMENAGEM A AMIGA EDNEIS..MAS DO QUE UMA IRMÃ....














AMIGA.....EDNEIS  *_*



A FELICIDADES SINÔNIMO DA ALEGRIA ...CONSISTE ..:
EM ESTAR COM AMIGOS VERDADEIROS...COMPANHEIROS,
 AJUDA NÃO SÓ NAS HORAS ALEGRES E MAS TAMBÉM TRISTES.
O QUE SERIA DE NÓS SEM AMIGOS.....




UM VAZIO COMPLETO.....UM SOL SEM BRILHAR ....UM ANOITECER 
SEM ESTRELAS...AMIGOS SÃO COMO  MULETAS QUE NOS AMPARAM...
NOS DÁ UMA PALAVRA AMIGA...(UM CONSOLO)....
AMIGO ÉH PARA GUARDAR NO LADO ESQUERTO DO PEITO..




AONDE A BRISA JAMAIS IRÁ LEVAR DE NOSSO CORAÇÃO....
AMIGO ÉH PARA "TODA OBRA" QUANDO PRECISAMOS  DE UMA SIMPLES PALAVRA
DE OTIMISMO.. NAS HORAS DIFÍCEIS.....




NÃO DESPREZE UM AMIGO TALVEZ É O ÚNICO QUE VC TENHA....
TAL COMO MINHA AMIGA EDNEIS ..UM ANJO QUE DEUS ENVIOU PARA..
MIM ...NOS MOMENTOS MAIS DIFÍCEIS PUDE CONTAR COM ELA ...(UM ANJO NA MINHA VIDA!)




BY LADY RUDGEN!!!


segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

O FILME AVATAR E VANGUARDAS EUROPÉIAS





 

Avatar é um filme épico de ação dirigido por James Cameron. O primeiro desde Titanic, em 1997. Sua data de lançamento original era 25 de maio de 2009 mas foi adiado para 18 de dezembro.

A história do longa começa na Terra. Jake Sully (Sam Worthington) é um soldado que perdeu os movimentos da perna e não encontrou nada pelo o que valesse a pena lutar. Quando a oportunidade de trabalhar em exploração de minas no Planeta Pandora chega, ele aceita. Pandora é um local exuberante e hostil. O ar é venenoso para humanos. Plantas e criaturas são predadoras e perigosas. E os nativos, humanóides azuis com mais de três metros, os Na´vi, não ficaram satisfeitos com humanos e máquinas que lá aportaram.
Porque, então, ir para o local? Porque é lá onde pode ser encontrado um mineral que poderá mudar o jogo em relação à produção de energia.
Devido ao planeta ser um lugar tão adverso, exércitos tradicionais são insuficientes para protegerem as minas. Para isso, uma espécie de programa de clones nomeado AVATAR que combina o DNA de humanos e de Na´vi foi criado. O resultado é essencialmente o clone de um Na´vi que pode preservar a percepção de um humano. O irmão de Jake Sully foi o doador original e controlador de um desses avatares. Mas ele foi morto e a corporação responsável pelo projeto chama Jake para ir a Pandora pilotar o tal corpo, já que ele tem o DNA que combina. Em troca, ele poderá andar novamente.
A história avança alguns anos para quando Jake chega em Pandora. Ele encontra um lugar de beleza indescritível, onde as florestas são densas, com muitas cores e formas, e a flora e a fauna produzem luz à noite, criando um jardim dos sonhos. Enquanto Jake está trabalhando em um mina, ele encontra ViperWolf, um dos perigos de Pandora. Antes que ele seja atacado, uma flecha perfura a criatura. Ela foi atirada por uma Na´vi (Zöe Saldaña), que o ensina sobre os perigos do planeta.
Os Na´vi vivem em harmonia com os perigos de Pandora. Através de sua salvadora, Jake começa a ver as tentativas humanas no planeta em um novo ângulo e percebe que descobriu algo pelo que lutar. Mas se juntar aos Na´vi em uma batalha contra os humanos tem um preço terrível: ele não poderá ficar no interior de seu avatar para sempre. Quando o avatar dorme, Jake acorda em seu corpo e precisa usar uma interface para conectar sua consciência com o avatar. Se ele se unir aos Na´vi na guerra contra os humanos, ele perderá a opção de tornar a reunir com seu avatar, podendo ficar preso como um humano imóvel e sem a Na´vi que aprendeu a amar.

Produção

James Cameron começou a escrever o roteiro em 1995, buscando inspiração em toda ficção científica que lia quando criança. O texto final fora feito em 2006, com a ajuda de um linguista da USC para criar o idioma dos extraterrestres. Cameron anunciou a produção em 2005 como "Projeto 880", que seria um dos seus futuros projetos junto com uma adaptação de mangá, Battle Angel. Em fevereiro de 2006, Cameron anunciou que o "Projeto 880" era uma reformulação de Avatar, um filme que ele tentou produzir anos antes, e ele faria o filme antes de Battle Angel. Em Novembro de 2006, Cameron declarou que caso Avatar faça sucesso, ele se dispõe a fazer 2 continuações.
Avatar foi filmado em 3D, com os atores sendo transformados em versões digitais por captura de movimento. Cameron disse que optou por esse sistema pelos avanços trazidos em personagens como Gollum, King Kong e Davy Jones.
É a produção mais cara da história do cinema com orcamento estimado em US$ 500 milhões.
Os efeitos, criaturas e ambientes digitais foram totalmente computadorizados pela empresa de Peter Jackson, WETA Digital. Cameron a preferiu depois de assistir ao O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei, e testemunhar ao resultado espetacularmente fantasioso, do qual ele precisava.
Essa é a primeira produção cinematográfica "totalmente" computadorizada que não é considerada uma mera animação digital.


THRILLER DO FILME AVATAR




A ILHA...FILME COM CONTEXTO PARECIDO ...






SINOPSE





Lincoln Six-Echo (EWAN MCGREGOR) é um morador de um utópico porém rigorosamente controlado complexo em meados do século 21. Assim como todos os habitantes deste ambiente cuidadosamente controlado, Lincoln sonha em ser escolhido para ir para "A Ilha" – dita o único lugar descontaminado no planeta. Mas Lincoln logo descobre que tudo sobre sua existência é uma mentira. Ele e todos os outros habitantes do complexo são na verdade clones cujo único propósito é fornecer “partes sobressalentes” para seus humanos originais. Percebendo que é uma questão de tempo antes que seja “usado”, Lincoln faz uma fuga ousada com uma linda colega chamada Jordan Two-Delta (Scarlett Johansson). Perseguidos sem trégua pelas forças da sinistra instituição que uma vez os abrigou, Lincoln e Jordan entram em uma corrida por suas vidas e para literalmente conhecer seus criadores....




"OS DOIS FILMES POSSUEM ASSUNTOS DIFERENTES PORÉM ..A INTERTEXTUALIDADE É A MESMA...CLONES ...DNA...FICÇÃO CIENTÍFICA ..E AS VANGUARDAS EUROPÉIAS DADAÍSMO E FUTURISMO ..RESSALTANDO A MIXIGÊNAÇÃO EM AVATAR DE DNAS ...E A CRIAÇÃO DE CLONES IDÊNTICOS EM THE ISLAND...O DADAÍSMO É A LUTA DA SOBREVIVÊNCIAS DOS SERES QUE O CONTEXTO DOS DOIS FILMES ENFATIZAM ..AMBOS SÃO EXCELENTES VALE A PENA CONFERIR E PERCEBER TAIS CARACTERÍSTICAS EM AMBOS OS FILMES"






CHARLES DICKENS....E A OBRA A CHRISTMAS CAROL(OS FANTASAS DO NATAL PASSADO)





Charles John Huffam Dickens, FRSA (Portsmouth, 7 de Fevereiro de 1812 — 9 de Junho de 1870), que também adoptou o pseudónimo Boz no início da sua actividade literária, foi o mais popular dos romancistas ingleses da era vitoriana. A fama dos seus romances e contos, tanto durante a sua vida como depois, até aos dias de hoje, só aumentou. Apesar de os seus romances não serem considerados, pelos parâmetros actuais, muito realistas, Dickens contribuiu em grande parte para a introdução da crítica social na literatura de ficção inglesa.
Entre os seus maiores clássicos podemos destacar "Copperfield"e "Oliver Twist"


Charles Dickens na sua juventude.
Dickens nasceu em uma sexta-feira na cidade de Moure ( condado de Hampshire, Inglaterra), filho de John Dickens, funcionário perdulário da Armada, e de sua esposa Elizabeth Barrow. Quando fez cinco anos, a família mudou-se para Chatham, no condado de Kent.




Descrever-se-ia a si mesmo, mais tarde, como uma criança não particularmente muito mimada. Ensinado por sua mãe, passava muito do seu tempo a ler infindavélmente – e, com especial devoção as novelas picarescas de Tobias Smollett e Henry Fielding. Entre os livros da sua infância encontravam-se também obras de Daniel Defoe, Goldsmith, bem como o "Dom Quixote", "Gil Blas" e "As Mil e uma noites". A sua memória fotográfica serviria, mais tarde, para conceber as suas personagens e enredos ficcionais, baseando-se muito nas pessoas e acontecimentos que foram marcando a sua vida.
A sua família era remediada em termos económicos, o que lhe permitiu frequentar uma escola particular durante três anos. A situação piorou, contudo, quando o seu pai foi preso por dívidas, depois de gastar os recursos da família no afã de manter uma posição social periclitante. Com dez anos de idade, a família mudou-se para o bairro popular de Camden Town em Londres, onde ocupavam quartos baratos e, para fazer face aos gastos, empenharam os talheres de prata e venderam a biblioteca familiar que tinha feito as delícias do jovem rapaz. Com doze anos, Dickens já tinha a idade considerada necessária para trabalhar na empresa Warren’s onde se produzia graxa para os sapatos com betume, junto à actual Estação ferroviária de Charing Cross. O seu trabalho consistia em colar rótulos nos frascos de graxa, ganhando, por isso, seis xelins por semana. Com o dinheiro, sustentava a família, encarcerada na prisão para devedores, em [moure] onde ia dormir.
Alguns anos depois, a situação financeira da família melhorou consideravelmente, graças a uma herança recebida pelo seu pai. A sua família deixou a prisão, mas a mãe não o retirou logo da fábrica, que pertencia a um amigo. Dickens jamais perdoaria a mãe por essa injustiça. O tema das más condições de trabalho da classe operária inglesa tornar-se-iam, mais tarde, um dos mais recorrentes da sua obra.


Em agosto Dickens começou a trabalhar num escritório, emprego que lhe poderia valer, mais tarde, a posição de advogado. Não gostou, no entanto, do trabalho nos tribunais e, depois de aprender taquigrafia, foi, por um breve período, estenógrafo do tribunal. Com dezoito anos de idade, começou outro período de leituras intensas tendo-se inscrito na biblioteca do British Museum. Por esta altura, apaixona-se pela filha de um banqueiro, Maria Beadnell. Os pais da menina desaprovaram, contudo, o idílio amoroso devido ao passado dos pais de Dickens. A própria Maria tornar-se-á indiferente a Charles depois de uma viagem "educativa" a França. Dickens levará um ano a superar este desgosto amoroso.




Descrever-se-ia a si mesmo, mais tarde, como uma criança não particularmente muito mimada. Ensinado por sua mãe, passava muito do seu tempo a ler infindavélmente – e, com especial devoção as novelas picarescas de Tobias Smollett e Henry Fielding. Entre os livros da sua infância encontravam-se também obras de Daniel Defoe, Goldsmith, bem como o "Dom Quixote", "Gil Blas" e "As Mil e uma noites". A sua memória fotográfica serviria, mais tarde, para conceber as suas personagens e enredos ficcionais, baseando-se muito nas pessoas e acontecimentos que foram marcando a sua vida.
A sua família era remediada em termos económicos, o que lhe permitiu frequentar uma escola particular durante três anos. A situação piorou, contudo, quando o seu pai foi preso por dívidas, depois de gastar os recursos da família no afã de manter uma posição social periclitante. Com dez anos de idade, a família mudou-se para o bairro popular de Camden Town em Londres, onde ocupavam quartos baratos e, para fazer face aos gastos, empenharam os talheres de prata e venderam a biblioteca familiar que tinha feito as delícias do jovem rapaz. Com doze anos, Dickens já tinha a idade considerada necessária para trabalhar na empresa Warren’s onde se produzia graxa para os sapatos com betume, junto à actual Estação ferroviária de Charing Cross. O seu trabalho consistia em colar rótulos nos frascos de graxa, ganhando, por isso, seis xelins por semana. Com o dinheiro, sustentava a família, encarcerada na prisão para devedores, em [moure] onde ia dormir.
Alguns anos depois, a situação financeira da família melhorou consideravelmente, graças a uma herança recebida pelo seu pai. A sua família deixou a prisão, mas a mãe não o retirou logo da fábrica, que pertencia a um amigo. Dickens jamais perdoaria a mãe por essa injustiça. O tema das más condições de trabalho da classe operária inglesa tornar-se-iam, mais tarde, um dos mais recorrentes da sua obra.


Em agosto Dickens começou a trabalhar num escritório, emprego que lhe poderia valer, mais tarde, a posição de advogado. Não gostou, no entanto, do trabalho nos tribunais e, depois de aprender taquigrafia, foi, por um breve período, estenógrafo do tribunal. Com dezoito anos de idade, começou outro período de leituras intensas tendo-se inscrito na biblioteca do British Museum. Por esta altura, apaixona-se pela filha de um banqueiro, Maria Beadnell. Os pais da menina desaprovaram, contudo, o idílio amoroso devido ao passado dos pais de Dickens. A própria Maria tornar-se-á indiferente a Charles depois de uma viagem "educativa" a França. Dickens levará um ano a superar este desgosto amoroso.



Tornou-se, depois, jornalista, começando como cronista judicial e, depois, fazendo relatos dos debates parlamentares e cobrindo as campanhas eleitorais pela Grã-Bretanha fora, de diligência. Os seus Sketches by Boz ("Esboços de Boz" - Boz era a alcunha do seu irmão mais novo que não era capaz de pronunciar devidamente "Moses" - Moisés, em inglês) são fruto desta época e são constituídos por pequenas peças jornalísticas em forma de retratos de costumes, originalmente escritas para o "Morning chronicle". Ao longo da sua carreira, Dickens continuou, durante muito tempo, a escrever para jornais.
Com pouco mais de vinte anos, o seu The Pickwick Papers (Os Documentos Póstumos do Clube Pickwick) estabeleceu o seu nome como escritor. A ideia inicial desta obra era que Dickens escrevesse comentários a ilustrações desportivas. De 1831 a 1834, a New Sporting Magazine comprovou o sucesso desta receita editorial com a sua série "Jorrock´s Jaunts and Jollities" sobre um comerciante cockney que quer a todo o custo ser reconhecido como o bom caçador que não era. Querendo seguir a mesma ideia, Robert Seymour propôs aos editores Chapman and Hall criar uma série semelhante sobre um tal de "Clube Nimrod" (Nimrod é uma personagem bíblica descrita como sendo um grande caçador) onde também se troçaria dos caçadores inexperientes, mas cheios de si mesmos. Procuraram-se escritores para "complementar" as imagens com textos. A terceira opção, perante a recusa dos dois primeiros, era Dickens, que escrevera os seus Esboços para a mesma editora. Dickens rapidamente tomou conta do projecto e rejeitou a ideia de um clube de caçadores - a ideia não lhe agradava. Criou, pelo contrário, um clube de observadores de curiosidades, o que afastou definitivamente o ilustrador que tivera a ideia inicial, Seymour, que viria a suicidar-se na sequência destes acontecimentos. Procurou-se outro ilustrador. É curioso que tenha sido rejeitado um tal de William Makepeace Thackeray que tornar-se-ia outro vulto de importância no romance vitoriano (geralmente colocado logo a seguir a Dickens, na opinião de muitos estudiosos da literatura inglesa - ou mesmo superior a Dickens, na opinião de outros). O novo ilustrador, conhecido pela alcunha de Phiz, deu conta do recado.
FAMA
A 2 de Abril de 1836 (três dias depois da publicação do primeiro fascículo de "Pickwick"), casou-se com Catherine Hogarth, de quem teve dez filhos. A recepção do público a Pickwick não foi calorosa desde o início. Só quando aparece a personagem de Sam Weller, o criado de Pickwick e que acompanha as aventuras do seu amo ao jeito de um Sancho Pança ao lado de Dom Quixote, é que as vendas sobem de 400 exemplares para 40 000!
Em 1838, em decorrência do sucesso de Pickwick, propõe a publicação de "Oliver Twist" onde, pela primeira vez, apontava para os males sociais da era vitoriana. O romance, divulgado em folhetins semanais, terá também o seu ilustrador: Cruikshank.
Em 1842 viajou com a sua esposa para os Estados Unidos da América. A viagem foi descrita, depois, no curto relato de literatura de viagens American Notes, existindo também influências da mesma em alguns episódios de Martin Chuzzlewt. Ao entusiasmo com que foi recebido, de início, nos Estados Unidos, seguiu-se uma estadia




Descrever-se-ia a si mesmo, mais tarde, como uma criança não particularmente muito mimada. Ensinado por sua mãe, passava muito do seu tempo a ler infindavélmente – e, com especial devoção as novelas picarescas de Tobias Smollett e Henry Fielding. Entre os livros da sua infância encontravam-se também obras de Daniel Defoe, Goldsmith, bem como o "Dom Quixote", "Gil Blas" e "As Mil e uma noites". A sua memória fotográfica serviria, mais tarde, para conceber as suas personagens e enredos ficcionais, baseando-se muito nas pessoas e acontecimentos que foram marcando a sua vida.
A sua família era remediada em termos económicos, o que lhe permitiu frequentar uma escola particular durante três anos. A situação piorou, contudo, quando o seu pai foi preso por dívidas, depois de gastar os recursos da família no afã de manter uma posição social periclitante. Com dez anos de idade, a família mudou-se para o bairro popular de Camden Town em Londres, onde ocupavam quartos baratos e, para fazer face aos gastos, empenharam os talheres de prata e venderam a biblioteca familiar que tinha feito as delícias do jovem rapaz. Com doze anos, Dickens já tinha a idade considerada necessária para trabalhar na empresa Warren’s onde se produzia graxa para os sapatos com betume, junto à actual Estação ferroviária de Charing Cross. O seu trabalho consistia em colar rótulos nos frascos de graxa, ganhando, por isso, seis xelins por semana. Com o dinheiro, sustentava a família, encarcerada na prisão para devedores, em [moure] onde ia dormir.
Alguns anos depois, a situação financeira da família melhorou consideravelmente, graças a uma herança recebida pelo seu pai. A sua família deixou a prisão, mas a mãe não o retirou logo da fábrica, que pertencia a um amigo. Dickens jamais perdoaria a mãe por essa injustiça. O tema das más condições de trabalho da classe operária inglesa tornar-se-iam, mais tarde, um dos mais recorrentes da sua obra.


PRINCIPAIS OBRAS





Romances principais

·         The Pickwick Papers (1836)
·         Oliver Twist (1837–1839)
·         Nicholas Nickleby (1838–1839)
·         The Old Curiosity Shop ("Loja de Antiguidades")(1840–1841)
·         Barnaby Rudge (1841)
·         Os Livros de Natal:
o        A Christmas Carol ("Canção de Natal" ou "Um canto de Natal") (1843)
o        The Chimes(1844)
o        The Cricket on the Hearth(1845)
o         The Battle for Life(1846)
·         Martin Chuzzlewit (1843-1844)
·         Dombey and Son (1846–1848)
·         David Copperfield (1849–1850)
·         Bleak House ("A Casa Abandonada", "Casa desolada" ou "Casa sombria") - (1852–1853)
·         Hard Times ("Tempos Difíceis") (1854)
·         Little Dorrit ("A pequena Dorrit") - (1855–1857)
·         A Tale of Two Cities ("Um conto de duas cidades") (JULY 11, 1859)
·         Great Expectations ("Grandes Esperanças") - (1860–1861)
·         Our Mutual Friend(1864–1865)
·         The Mystery of Edwin Drood(inacabado) (1870)

 Outros

  • Sketches by Boz (1836)
  • American Notes (1842)
  • A Child’s History of England (1851–1853)

 Contos

  • "A Christmas Tree";
  • "A Message from the Sea";
  • "Doctor Marigold";
  • "George Silverman’s Explanation";
  • "Going into Society";
  • "Holiday Romance";
  • "Hunted Down";
  • "Mrs. Lirriper’s Legacy";
  • "Mrs. Lirriper’s Lodgings";
  • "Mugby Junction";
  • "Perils of Certain English Prisoners";
  • "Somebody’s Luggage";
  • "Sunday Under Three Heads";
  • "The Child’s Story";
  • "The Haunted House";
  • "The Haunted Man and the Ghost’s Bargain";
  • "The Holly-Tree";
  • "The Lamplighter";
  • "The Seven Poor Travellers";
  • "The Trial for Murder";
  • "Tom Tiddler’s Ground";
  • "What Christmas Is As We Grow Older";
  • "Wreck of the Golden Mar








ENFATIZANDO CHRISTIMANS CAROL...


A Christmas Carol é um livro de Charles Dickens. Com várias traduções no Brasil, sendo a mais correta Um Cântico de Natal, o livro foi escrito em menos de um mês originalmente para pagar dívidas, mas tornou-se um dos maiores clássicos natalinos de todos os tempos. Charles Dickens o descreveu como seu "livrinho de Natal", e foi primeiramente publicado em 19 de dezembro de 1843, com ilustrações de John Leech. A história transformou-se instantaneamente num sucesso, vendendo mais de seis mil cópias em uma semana.





SINOPSE





Scrooge encontra as almas penadas
Ebenezer Scrooge é um homem avarento que não gosta do Natal. Trabalha num escritório em Londres com Bob Cratchit, seu pobre, mas feliz empregado, pai de quatro filhos, com um carinho especial pelo frágil Pequeno Tim, que tem problemas nas pernas.
Numa véspera de Natal Scrooge recebe a visita de seu ex-sócio Jacob Marley, morto havia sete anos naquele mesmo dia. Marley diz que seu espírito não pode ter paz, já que não foi bom nem generoso em vida, mas que Scrooge tem uma chance, e por isso três espíritos o visitariam.
O primeiro espírito chega, um ser com uma luz que emanava de sua cabeça e um apagador de velas embaixo do braço à guisa de chapéu. Este é o Espírito dos Natais Passados, que leva Scrooge de volta no tempo e mostra sua adolescência e o início da sua vida adulta, quando Scrooge ainda amava o Natal. Triste com as lembranças, Scrooge enfia o chapéu na cabeça do espírito, ocultando a luz. O espírito desaparece deixando Scrooge de volta ao seu quarto.
O segundo espírito, o do Natal do Presente, é um gigante risonho com uma coroa de azevinho e uma tocha na mão. Ele mostra a Scrooge as celebrações do presente, incluindo a humilde comemoração natalina dos Cratchit, onde vê que, apesar de pobre, a família de seu empregado é muito feliz e unida. A tocha na mão do espírito tem a utilidade de dar um sabor especial à ceia daqueles que fossem "contemplados" com sua luz. No fim da viagem, o espírito revela sob seu manto duas crianças de caras terríveis, a Ignorância e a Miséria, e pede que os homens tenham cuidado com elas. Depois disso vai embora.
O terceiro espírito, o dos Natais Futuros, apresenta-se como uma figura alta envolta num traje negro que oculta seu rosto, deixando apenas uma mão aparente. O espírito não diz nada, mas aponta, e mostra a Scrooge sua morte solitária, sem amigos.
Após a visita dos três espíritos, Scrooge amanhece como um outro homem. Passa a amar o espírito de Natal, e a ser generoso com os que precisavam, e a ajudar seu empregado Bob Cratchit, tornando-se um segundo pai para Pequeno Tim. Diz-se que ninguém celebrava o Natal com mais entusiasmo que ele.
 




Scrooge encontra as almas penadas
Ebenezer Scrooge é um homem avarento que não gosta do Natal. Trabalha num escritório em Londres com Bob Cratchit, seu pobre, mas feliz empregado, pai de quatro filhos, com um carinho especial pelo frágil Pequeno Tim, que tem problemas nas pernas.
Numa véspera de Natal Scrooge recebe a visita de seu ex-sócio Jacob Marley, morto havia sete anos naquele mesmo dia. Marley diz que seu espírito não pode ter paz, já que não foi bom nem generoso em vida, mas que Scrooge tem uma chance, e por isso três espíritos o visitariam.
O primeiro espírito chega, um ser com uma luz que emanava de sua cabeça e um apagador de velas embaixo do braço à guisa de chapéu. Este é o Espírito dos Natais Passados, que leva Scrooge de volta no tempo e mostra sua adolescência e o início da sua vida adulta, quando Scrooge ainda amava o Natal. Triste com as lembranças, Scrooge enfia o chapéu na cabeça do espírito, ocultando a luz. O espírito desaparece deixando Scrooge de volta ao seu quarto.
O segundo espírito, o do Natal do Presente, é um gigante risonho com uma coroa de azevinho e uma tocha na mão. Ele mostra a Scrooge as celebrações do presente, incluindo a humilde comemoração natalina dos Cratchit, onde vê que, apesar de pobre, a família de seu empregado é muito feliz e unida. A tocha na mão do espírito tem a utilidade de dar um sabor especial à ceia daqueles que fossem "contemplados" com sua luz. No fim da viagem, o espírito revela sob seu manto duas crianças de caras terríveis, a Ignorância e a Miséria, e pede que os homens tenham cuidado com elas. Depois disso vai embora.
O terceiro espírito, o dos Natais Futuros, apresenta-se como uma figura alta envolta num traje negro que oculta seu rosto, deixando apenas uma mão aparente. O espírito não diz nada, mas aponta, e mostra a Scrooge sua morte solitária, sem amigos.
Após a visita dos três espíritos, Scrooge amanhece como um outro homem. Passa a amar o espírito de Natal, e a ser generoso com os que precisavam, e a ajudar seu empregado Bob Cratchit, tornando-se um segundo pai para Pequeno Tim. Diz-se que ninguém celebrava o Natal com mais entusiasmo que ele.



ESTE VÍDEO RETRATA A ESTÓRIA DE  CHRISTMAS CAROL.







" ESSA OBRA RETRATA ..COMO UM TRAUMA PODE MUDAR O MODO DE SER DE UMA PESSOA...O SOFRIMENTO É CAPAZ DE CAUSAR GRANDES DADOS NA ENTE DE UMA PESSOAS ...QUE SOMENTE COM O MERGULHO NO PRÓPRIO SUBCONSCIÊNTE DA PESSOAS PODERÁ HAVER ALGUNS PROGRESSOS SOBRE SUA CONDUTA ....COMO NO CASO DA PERSONAGENS AVARENTA DE SCROOGE...QUE NO FINAL ATRÁVES DA SUA CONSCIÊNCIA ..PODE ESTABELECER UMA CONDIÇÃO RACIONAL PARA SEUS ATOS DE MAUS PARA BONS....UMA INTERESSANTE ESTÓRIA ...QUE NOS FAZ REFLETIR SOBRE NOSSOS ATOS..E PREOCUPAR-SE MAIS COM O PRÓXIMO"

O CHORO DO VIOLINO...SONETO COMTEMPORÊNEO...





O CHORO DO VIOLINO..


VIOLINOS SOANDO VOZES ...
O CHORO DO VIOLINO É COMO O CHORO;
DE QUEM PEDE REMISSÃO E PERDÃO,
VIOLINOS QUE CHORAM!!!!

CHORO ESTRIDENTE ...ÁGUDO..
ANGÚSTIA E DELÍRIO, A CADA NOTA;
O CHORO MUDA...PARECENDO...
LAMÚRIAS DE SERES VIVENTES EM AGÔNIA.


VIOLINO INSTRUMENTO DE BIZARRO ..ESTRADIVÁRIUS!!!
PEÇA RARA..E FEITA A MÃO...TRANSMITE ...SENTINTOS NO CHORO DO VIOLINO...
ÀS VEZES TRISTES E OUTRAS ALEGRES....


AVIDA É COMO UM VIOLINO, CORDAS TRISTES...
ENTOAM SENTIMENTOS DIVERSOS...SONANDO VOZES NO VIOLINO;
INTERPRETADAS ...POR CADA UM..DE SEU MODO.!!!" AS VOZES DO VIOLINO!!!!.".

BY LADY RUDGEN!!!

O MAR ..SONETO CONTEMPORÂNEO....



 O MAR......

   MARAVILHOSO...ENVOLVENTE.. HIPNOTIZANTE;
UMA BELEZA TRAIÇOEIRA...UE FASCINA,
ATRAI...SEDUZ...RELUZ AOS OLHOS..DA AUREA BOREAL,QUANDO O SOL REFLETE...
UMA LUZ VERMELHA E INCANDESCENTE.


ROMANCES ARDENTES SÃO TESTEMINHADOS PELA LUA...
DUAS VEZES...UMA NO HORIZONTE CELESTIAL INFINITO..E PELO REFLEXO..
LUMINOSO QUE O MAR TRANSMITE...LINDO O AMANHECER NO ...
MAR!!!


O MAR ...O MAR..O MAR....
AS ONDAS ESPUMANTES..COMO CHAMPAGNE DELICIOSO..
AGUÇANDO O PALADAR E A IMAGINAÇÃO!!!!


AHHH!! O MAR...INFINITO AOS OLHOS...
ÀS VEZES SOLITÁRIO...MISTERIOSO...CÚMPLICE....DE MISTÉRIOS,
QUE SOMENTE ELE SABE E OCULTA.....


BY LADY RUDGEN...







O AMOR ...SONETO CONTEMPORÂNEO....



TAJ MAHAL...SÍMBOLO DO AMOR ETERNO...


O AMOR..

AMOR ETERNO..AMOR FRATERNO...AMOR INCONDICIONAL,
AMOR OBCESSIVO...PLATÔNICO;
O QUE É O AMOR?
AMAR É SONHAE É...


SONHAR DESLUMBRAR-SE...CALAR-SE,
CONFUNDIR...PERDOAR;
O QUE É O AMOR??
AMAR É...


SENTIR UMA SENSAÇÃO SEM IGUAL,
QUE SOMENTE OS QUE AMAM VERDADEIRAMENTE SENTEM;
MAS....


O AMOR PODE CAMUFLAR O ÓDIO...A VINGANÇA...E TAMBÉM;
DESABOR..ENTÃO O QUE É O AMOR?? UM SENTIMENTO NOBRE E CONFUSO;
QUE PODE RESUMIR A FAZER A FELICIDADE DE ALGUÉM...

BY LADY RUDGEN

SONETO DA SOLIDÃO .....




SONETO DA SOLIDÃO

SOLIDÃO..SOLIDÃO..FRAGILIDADE,
TENSÃO..BUSCA..CONFUSÃO;
SOLIDÃO...FUNDO DO POÇO...TRISTEZA;
ABANDONO...DESTRUIÇÃO.


SOLIDÃO QUE ARRAZA..MATA ...JUDIA;
PREJUDICA UM SER EM DEPRESSÃO;
OH!!! SOLIDÃO...PREJUDICA A ALMA;
E DESPEDAÇA O CORAÇÃO.


SOLIDÃO...ESCURIDÃO...FALTA DE EMOÇÃO;
FRIEZA..DESTREZA..COM CERTEZA;
SOLIDÃO!!!


SOLIDÃO TAMBÉM É UMA REFLEXÃO;
QUE DEIXA FORTE A RAZÃO;
AGRADEÇO A SOLIDÃO!!

BY LADY RUDGEN

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

SÍMBOLOS NATALINOS....



 

O personagem Papai Noel ou Pai Natal  foi inspirado em São Nicolau Taumaturgo, arcebispo de Mira na Turquia, no século IV. Nicolau costumava ajudar, anonimamente, quem estivesse em dificuldades financeiras. Colocava o saco co O personagem Papai Noel  ou Pai Natal foi inspirado em São Nicolau Taumaturgo, arcebispo de Mira na Turquia, no século IV. Nicolau costumava ajudar, anonimamente, quem estivesse em dificuldades financeiras. Colocava o saco com moedas de ouro a ser ofertado na chaminé das casas. Foi declarado santo depois que muitos milagres lhe foram atribuídos. Sua transformação em símbolo natalino aconteceu na Alemanha e daí correu o mundo inteiro.

m moedas de ouro a ser ofertado na chaminé das casas. Foi declarado santo depois que muitos milagres lhe foram atribuídos. Sua transformação em símbolo natalino aconteceu na Alemanha e daí correu o mundo inteiro.

COMO É CHAMADO O PAPAEL NOEL E OUTROS PAÍSES





  • Chile: Viejito Pascuero
  • Croácia: Djed Mraz
  • Dinamarca: Julemanden
  • Estados Unidos: Santa Claus
  • Finlândia: Joulupukki
  • França: Père Noël
  • Itália: Babbo Natale
  • Japão: サンタクロース (lê-se "Santa kurosu" vem do inglês Santa Claus.)
  • Macedônia: Dedo Mraz
  • México: Santa Claus
  • Países Baixos: Kerstman (literalmente, "homem do Natal")
  • Portugal: Pai Natal
  • Reino Unido: Father Christmas
  • Rússia: Ded Moroz
  • Suécia: Jultomte



ALGUNS SÍMBOLOS DO NATAL 

 PRESÉPIO




Segundo a tradição católica, o presépio foi criado por São Francisco de Assis, no século XIII, em 1223, na região da Úmbria. Com a permissão do Papa, montou um presépio de palha que representava o ambiente do nascimento de Jesus, com pessoas e animais reais e não bonecos. Neste cenário foi celebrada a missa de Natal e o sucesso foi tamanho que rapidamente se estendeu por toda a Itália. As esculturas e quadros que enfeitavam os templos para ensinar os fiéis serviram de inspiração para que se criasse o presépio, que hoje é uma tradição na Itália, na Espanha (a tradição chegou com o rei Carlos III, que a importou de Nápoles, no século XVIII), na França (inícios do século XX), no Tirol austríaco, na Alemanha, na República Checa, na América Latina e nos Estados Unidos. 

CANÇÕES




Anjos cantores anunciam uma boa notícia. "Glória no mais alto dos céus e paz na terra aos homens de boa vontade". Anjos, ou seja, mensageiros surgem nos céus para confirmar o nascimento do filho de Deus. Pela melodia que entoam prenunciam um novo tempo.As primeiras canções natalinas datam do século IV e são cantadas até hoje na véspera de Natal



REIS MAGOS 

O Evangelho de Mateus é o único a relatar a vinda dos sábios do Oriente. Posteriormente, acrescentaram-se inúmeras lendas, uma das quais dizendo que eles vieram da Pérsia. No século V, Orígenes e Leão Magno propõem chamá-los de reis-magos. No século VII, eles ganham nomes populares: Baltazar, Belquior e Gaspar e trazem ouro, incenso e mirra para o menino Jesus. No século XV, lhes é atribuída uma etnia: Belquior (ou Melchior)
 
passa a ser de raça branca, Gaspar, amarelo, e Baltazar, negro, para simbolizar o conjunto da humanidade.


ÁRVORE DE NATAL


A árvore natalina é simbolizada por um pinheiro enfeitado de luzes e de bolinhas vitrificadas coloridas, e para os cristãos e reúne dois símbolos religiosos: a luz e a vida.
Uma a lenda conta que havia três árvores próximas aos presépios: uma oliveira, uma tamareira e um pinheirinho, que desejavam honrar o recém-nascido. A oliveira ofereceu suas azeitonas, e a tamareira suas tâmaras, mas o pinheirinho não tinha nada a ofertar. Lá do alto, as estrelas desceram do céu e pousaram sobre os galhos do pinheirinho oferecendo-se como presente.
A tradição da árvore é bem antiga (segundo e o terceiro milênio A.C.), quando povos indo-europeus consideravam as árvores uma expressão da energia de fertilidade da Natureza, por isso lhes rendiam culto. A civilização egípcia considerava a tamareira como árvore da vida e a enfeitava com doces e frutas para as crianças. Na Roma Antiga, os romanos penduravam máscaras de Baco, o deus do vinho, em pinheiros para comemorar uma festa chamada "Saturnália", que coincidia com o nosso Natal. Na Mitologia Grega, as árvores eram utilizadas para reverenciar deuses. Elas representavam as possibilidades de evolução e elevação do homem e eram consideradas intermediárias entre o céu e a terra. Na China, o pinheiro simboliza a longa vida e, no Japão, a imortalidade.
O carvalho foi, em muitos casos, considerado a mais poderosa das árvores. No inverno, quando suas folhas caíam, os povos antigos costumavam colocar diferentes enfeites nele para atrair o espírito da natureza, que se pensava que havia fugido.
A atual árvore de Natal aparece na Alemanha, no século XVI e, no século seguinte, são iluminadas com velas. No século XIX, em 1837, a esposa alemã do duque de Orleans introduz este costume na França. Ainda no século XIX, a tradição chegou à Inglaterra e a Porto Rico. Em 1912, Boston, nos Estados Unidos, inaugura uma árvore iluminada numa das praças centrais da cidade, e isto se espalha pelo mundo, inclusive em países não-cristãos. No século XX, torna-se tradição na Espanha e na maioria da América Latina. 




 GUIRLÂNDIA


Em muitos países, durante o advento, se faz com ramos de pinheiro uma coroa ou guirlanda com quatro velas para esperar a chegada do menino Jesus., Estas velas simbolizam as grandes etapas da salvação em Cristo. No primeiro domingo deste tempo litúrgico, acende-se a primeira vela que simboliza o perdão a Adão e Eva. No segundo domingo, a segunda vela acesa representa a fé. A terceira vela simboliza a alegria do rei David, que celebrou a aliança e sua continuidade. A última vela simboliza o ensinamento dos profetas.


VELAS







Acender velas nos remete à festa judaica de Chanuká, que celebra a retomada da Cidade de Jerusalém pelos irmãos macabeus das mãos dos gregos. Lembramos também da remota festa pagã do Sol Invencível dos romanos (Dies solis invicti), celebrada na noite do solstício de inverno, em 25 de dezembro. Os cristãos transformam-na na festa da luz que é Cristo. Na chama da vela estão presentes todas as forças da natureza. Vela acesa é símbolo de individuação e de nossos anos vividos. Tantas velas, tantos anos. Para o cristão, as velas simbolizam a fé, o amor e a vida.


SINOS



As renas carregam sinos de anúncio e de convocação. O sino simboliza o respeito ao chamado divino e representa o ponto de comunicação entre o céu e a terra. Remete ao ambiente rural, o tempo da igreja matriz e seus sinos e toques de aviso e de convocação para a vida e para a morte. 


BONECOS DE NEVE





O toque mágico do Natal vêm com a brancura e o frio da neve no hemisfério norte que exigem que as pessoas convivam mais dentro das casas. Nos países frios, as crianças se acostumaram a sair nos dias de neve de Natal para criar seu próprio homem de neve. Só é preciso armar duas grandes bolas de neve e colocá-las uma sobre a outra. Uma cenoura serve de nariz, um cachecol velho, um chapéu, algumas laranjas para os olhos e quatro galhos para servir de pés e mãos e o boneco de neve está pronto.
A tradição popular se transformou em peça de decoração de árvores de Natal, mesmo em países tropicais como o Brasil.


CARTÕES

 
A confecção do primeiro cartão de Natal, costuma ser atribuída ao britânico Henry Cole que, em 1843, encomendou a uma gráfica um cartão com a mensagem: "Feliz Natal e Próspero Ano Novo" porque não tinha tempo para escrever pessoalmente a cada um de seus amigos.
Mas, em 1831, um jornal de Barcelona, na Espanha, quis colocar em funcionamento a técnica da litografia felicitando seus leitores pelo Natal mediante uma estampa, o que já pode ser considerado uma forma de cartão de Natal.
O costume de desejar Boas Festas com o uso de um cartão se estendeu por toda a Europa e, a partir de 1870, estes cartões começaram a ser impressos coloridos. Já a partir desta época a imagem do Papai Noel - com suas diversas variações ao longo das décadas - começou a ser freqüente nos cartões de Natal. 



AS RENAS DO PAPAI NOEL 





As renas do Papai Noel ou de o Pai Natal são as únicas renas do mundo que sabem voar, ajudando o Papai Noel ou o Pai Natal entregar os presentes para as crianças do mundo todo na noite de Natal. Quando o Papai Noel ou o Pai Natal pede para serem rápidas, elas podem ser as mais rápidas renas do mundo. Mas quando ele quer, elas tornam-se lentas. O mito das renas foi inventado na Europa, no século XIX.
A quantidade de renas que puxam o trenó é controversa, tudo por causa da rena conhecida como Rudolph. Existe uma lenda que diz que Rudolph teria entrado para equipe de renas titulares por ter um nariz vermelho e brilhante, que ajuda a guiar as outras renas durante as tempestades. E, a partir daquele ano, a quantidade de renas passou a ser nove, diferente dos trenós tradicionais, puxados por oito renas. Tal lenda foi criada em 1939 e retratada no filme Rudolph, a Rena do Nariz Vermelho (1960 e 1998).
O nome das renas, em inglês são: Rudolph, Dasher, Dancer, Prancer, Vixen, Comet, Cupid, Donner e Blitzen. E em português são: Rodolfo, Corredora, Dançarina, Empinadora, Raposa, Cometa, Cupido e Relâmpago. , Trovão


 HÁBITO DE DAR E RECEBER PRESENTES..




NA VERDADE É A TRADIÇÃO ...DOS REIS MAGOS QUE VIERAM DE TR~ES PONTOS DIFERENTES PARA PRESENTES O FILHO DE DEUS ..PORQUE ERA COSTUME DA ÉPOCA QUANDO UM NOBRE NASCIA PRESENTEAR...













"SENDO CATÓLICO OU NÃO ..TODAS A PESSOAS COMEMORA ALGO DO NATAL...ORA TROCANDO PRESENTES ...(É O QUE MAIS ACONTECE) ...ALGUNS DOGMAS AINDA SÃO CELEBRADOS ...COMO A SANTA CEIA ...A MISSA DO GALO QUE ACONTECE À MEIA NOITE....AS O QUE IMPORTANTE É UM MOMENTO DE REFLEXÃO ...QUE EXISTE MUITA GENTE QUE PASSA TODOS OS DIAS IGUAIS...NATAL ..ANO NOVO ....SÃO COO SE FOSSE DIAS NORMAIS...PORQUE SÃO PESSOAS HUMILDES ...TEENTE AO DEUS CATÓLICO ..MAS QUE SE CONDIÇÕES FINANCEIRAS COMEMORAM  O NATAL ....HOMENAGEANDO A VIDA DO ENINO JESUS ...SEM FESTAS APENAS REFLETEM DESEJANDO QUE JESUS TRAGA UMA VIDA MELHOR A ESSAS PESSOAS" 


UMA CURIOSIDADE SOBRE COCA-COLA E PAPAI NOEL




É amplamente divulgado pela internet e por outros meios que a Coca-Cola seria a responsável pelo atual visual do Papai Noel (roupas vermelhas com detalhes em branco e cinto preto) , mas é historicamente comprovado que o responsável por sua roupagem vermelha foi o Cartunista americano Thomas Nast, em 1886 na revista Harpe’ Weeklys. Papai Noel até então era representado com roupas de inverno, porém na cor verde. O que ocorre é que em 1931 a Coca-Cola teria realizado uma grande campanha publicitária vestindo Papai Noel ao mesmo modo de Nast, com as cores vermelha e branca o que foi bastante conveniente já que estas são as cores de seu rótulo. Tal campanha fez um enorme sucesso e a nova imagem de Papai Noel espalhou-se rapidamente pelo mundo. Portanto a Coca-Cola foi responsável por ajudar a difundir o mito tal qual ele é, mas, de forma alguma por criar a figura tão conhecida de Papai-Noel.