quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

RAUL SEIXAS ...E O MISTICISMO DA CANÇÃO "TREM DAS SETE"









Raul dos Santos Seixas (Salvador, 28 de junho de 1945 — São Paulo, 21 de agosto de 1989) foi um cantor e compositor brasileiro.


Biografia

Filho do casal Raul Varella Seixas e Maria Eugênia Seixas, Raul cresceu na cidade de Salvador um tanto estagnada, alheia aos progressos de uma modernidade que passava ao largo da capital baiana. Tinha um irmão, quatro anos mais novo, Plínio Seixas.
Em casa obtém uma cultura que o faz adiantar-se àquilo que era ensinado nas escolas, mergulhando nos livros que tinha à disposição, na biblioteca do pai. Até o final de sua vida, sempre foi avançado para sua época, o que é comprovado pelas músicas por ele compostas e que até hoje são executadas.

 Primórdios

Seu gosto musical foi se moldando: primeiro, no rádio, acompanha o sucesso de Luiz Gonzaga, e nas viagens, onde acompanha o pai (inspetor de ferrovia), ouve os matutos desfiarem repentes - e esta "raiz" nordestina nunca o abandonara. Raul Seixas era um garoto muito tímido na infância e na adolescência, e só vivia trancado no quarto lendo e compondo. Seu sonho no inicio era ser um escritor, até o Rock n Roll aparecer em sua vida. Nesse momento, nas telas dos cinemas, encanta-se com o talento de Elvis Presley, de quem torna-se fã - e aponta-lhe o rumo musical: o Rock'n Roll. Sempre gostou também de clássicos do rock dos anos 50 e 60.
Juntamente com alguns amigos de Salvador, monta um conjunto, "Os Relâmpagos do Rock", mais tarde "The Panters", e por último conhecido como "Raulzito e os Panteras". Fazem shows no estado, e, a convite do amigo Jerry Adriani, vai para o Rio de Janeiro gravar um disco pela gravadora Odeon, em 1967 - que foi um total fracasso.
Após algum tempo, volta ao Rio, em 1970-71, contratado por outra gravadora - a CBS (atual Sony BMG). Ali participa da produção de diversos artistas da Jovem Guarda, como Jerry Adriani, Leno e Lilian e mais tarde Sérgio Sampaio, Diana, entre outros. Também compõe mais de 80 músicas para a Jovem Guarda, algumas de muito sucesso, como: Doce, Doce Doce Amor, Sha-la-la-la, Tudo que é bom dura pouco, Ainda queima a esperança, e outras.
Mas nos anos 70 Raul acaba se rebelando. Aproveitando a ausência do presidente da empresa, Evandro Ribeiro, grava seu segundo LP (intitulado Sociedade da Grã-Ordem Kavernista Apresenta Sessão das 10), em que faz parceria com Sérgio Sampaio, Miriam Batucada e Edy Star. O disco, todavia, foi retirado do mercado sob o argumento de não se enquadrar à linha de atuação da gravadora.
Em 1972 participou do VII FIC (Festival Internacional da Canção), promovido pela Rede Globo, e conseguiu a classificação de duas músicas, "Let me sing" (um misto de baião e rockabilly) e "Eu Sou Eu Nicuri é o Diabo", o que lhe deu projeção nacional.

 Sucesso e dor

No ano de 1973, Raul conseguiu um grande e estrondoso sucesso com a música "Ouro de Tolo", uma música com letra quase autobiográfica, mas também um deboche com a Ditadura e o Milagre econômico.
No mesmo ano foi contratado pela Philips (atual Universal Music), onde gravou o LP Krig-Ha, Bandolo, com o qual Raul finalmente alcançou o sucesso, estabelecendo a parceria com o hoje escritor Paulo Coelho e lançando músicas que viraram grandes HITS e clássicos, como: Metamorfose Ambulante, Mosca na Sopa, Ouro de Tolo, Al Capone, e etc. O Krig-Ha Bandolo seria desde então uma grande referência da Obra de Raul.
Raul Seixas finalmente alcançou grande repercussão nacional como uma grande promessa de um novo compositor e cantor. Porém logo a imprensa e os fãs da época foram aos poucos percebendo que Raul não era apenas um cantor e compositor.


No ano de 1974, por divulgar a Sociedade Alternativa, com Paulo Coelho nas suas apresentações, acabou sendo preso pelo DOPS, exilando-se nos Estados Unidos. No entanto, o sucesso do seu LP Gita e da música Gita, que lhe rendeu um disco de ouro, após vender 600.000 cópias, fazem-no retornar ao Brasil. Neste ano separa-se de sua primeira mulher, Edith Wisner, com quem teve uma filha chamada Simone.
Em 1975, casa-se com Gloria Vaquer, e grava o LP "Novo Aeon", onde Raul compôs, uma de suas músicas mais conhecidas, Tente Outra Vez.
Em 1976, grava o disco "Há Dez Mil Anos Atrás", que também é um LP recheado de clássicas composições, e tem sua segunda filha, Scarlet.
Raul Seixas lançou mais outros três discos pela WEA (hoje Warner Music Brasil), a partir de 1977, que fizeram sucesso de público e desgosto na crítica (O Dia Em Que A Terra Parou, Mata Virgem e Por Quem Os Sinos Dobram). Por volta deste período, intensifica-se a parceria com o amigo Cláudio Roberto, com quem Raul comporia várias de suas canções mais conhecidas, como "Maluco Belez", "O Dia em que a Terra Parou", "Rock das Aranhas", "Aluga-se" etc.
A partir do ano de 1978, começa a ter problemas de saúde devido ao consumo de álcool, que lhe causa a perda de 1/3 do pâncreas. Separa-se de Glória, que vai embora para os EUA levando a filha Scarlet. Neste ano, conhece Tania Menna Barreto, com quem passa a viver.
No ano de 1979, separa-se de Tania. Começa então a depressão de Raul Seixas junto com uma internação para tratar do alcoolismo,. Conhece Angela Affonso Costa, a Kika Seixas, sua quarta companheira.

 Ocaso

No ano de 1980, assinando novamente contrato com a CBS, lançou apenas mais um álbum (Abre-te Sésamo) e rescindiu o contrato.
Em 1981 nasce a terceira filha, Vivian, fruto de seu casamento com Kika.
Em 1982 faz um show histórico na praia do Gonzaga, em Santos, reunindo mais de 150 mil pessoas.
Seus dois discos seguintes (Raul Seixas - 1983 e Metrô linha 743 - 1984) e o livro As Aventuras de Raul Seixas na Cidade de Thor fizeram sucesso, mas depois Raul teve as portas fechadas novamente, devido ao seu consumo excessivo de álcool e constantes internações para desintoxicação.
Em 1985, separa-se de Kika Seixas. Faz um show, em 1 de dezembro deste ano, no Estádio Lauro Gomes, na cidade de São Bernardo do Campo. Só voltaria a pisar no palco no ano de 1988, ao lado de Marcelo Nova.
Conseguindo um contrato com a gravadora Copacabana, em 1986 (de propriedade da EMI), grava um disco que foi grande sucesso entre os fãs, (UAH-BAP-LU-BAP-LA-BEIN-BUM - 1987) estando presente até em programas de televisão, como o Fantástico. Nesta época, conhece Lena Coutinho, que se torna sua companheira. A partir desse ano, estreita relações com Marcelo Nova (fazendo uma participação no LP "Duplo Sentido", da banda Camisa de Vênus).
Um ano mais tarde, 1988, já sozinho, faz seu último álbum solo (A Pedra do Gênesis). A convite de Nova, faz alguns shows em Salvador, após três anos sem pisar num palco.
No ano de 1989, faz uma turnê com Marcelo Nova, agora parceiro musical, totalizando mais de 50 apresentações pelo Brasil.

 "Canto do cisne"

O último disco lançado em vida foi feito em parceria com Marcelo Nova, intitulado A Panela do Diabo, que foi lançado pela Warner Music Brasil um dia após sua morte. Raul Seixas faleceu no dia 21 de agosto de 1989, aos 44 anos. Seu corpo foi encontrado às oito horas da manhã, pela sua empregada, Dalva. Foi vítima de parada cardíaca: seu alcoolismo, agravado pelo fato de ser diabético, e por não ter tomado insulina na noite anterior, causaram-lhe uma pancreatite aguda fulminante. O LP A Panela do Diabo vendeu 150.000 cópias, rendendo ao Raul um disco de ouro póstumo, entregue à sua família e também a Marcelo Nova (parceiro de Raul, com quem gravou o LP), tornando-se assim um dos discos de maior sucesso do eterno Maluco Beleza.

 Após a morte

Depois de sua morte, Raul permaneceu entre as paradas de sucesso. Foram produzidos vários álbuns póstumos, como O Baú do Raul (1992), Metamorfose Ambulante (1993), Documento (1998), Anarkilópolis (2003) e Raul Seixas - Série BIS Duplo (2005). Sua penúltima mulher, Kika, já produziu um livro do cantor (O Baú do Raul), baseado em escritos dos diários de Raulzito desde os 6 anos de idade até a sua morte.

Principais sucessos

Muitos dos fãs de Raul Seixas consideram uma das marcas mais fortes nas suas músicas a sua capacidade de, através de um estilo jovial e descontraído, transmitir mensagens ou fazer questionamentos sobre temas como o amor, a vida, e a existência em si.
Das canções que Raulzito deixou, muitas foram aquelas que permaneceram eternizadas pelo gosto do público. Entre elas: Maluco Beleza, Metamorfose Ambulante, Sociedade Alternativa, Gita, Eu nasci há 10 mil anos atrás, Eu também vou reclamar, Medo da Chuva, O Dia Em Que A Terra Parou e Tente Outra Vez. Entre os fãs, costumam aparecer também outras músicas, entre elas: Ouro de Tolo, S.O.S., Mosca na Sopa, Eu Sou Egoísta, Para Nóia, Capim Guiné, O Trem Das Sete, Meu Amigo Pedro, Metrô Linha 743, O Carimbador Maluco e Sapato 36.

 Pensamentos

"A arte de ser louco é jamais cometer a loucura de ser um sujeito normal."
"Ninguem tem o direito de me julgar a não ser eu mesmo. Eu me pertenço e de mim faço o que bem entender."
"Todos os partidos são variantes do absolutismo. Não fundaremos mais partidos; o Estado é o seu estado de espírito."
"Só há amor quando não existe nenhuma autoridade."
"O sonho do careta é a realidade do maluco."
"A desobediência é uma virtude necessária à CRIATIVIDADE."
"Ninguém morre, as pessoas despertam do sonho da vida."
"Quero a certeza dos loucos que brilham. Pois se o louco persistir na sua loucura, acabará sábio."
"Eu não sou louco, é o mundo que não entende minha lucidez."
"Somos prisioneiros da vida e temos que suportá-la até que o último viaduto nos invada pela boca adentro e viaje eternamente em nossos corpos."
"A formiga é pequena, mas elas são um exército quando juntas."
"De que o mel é doce é coisa que eu me nego a afirmar, mas que parece doce eu afirmo plenamente."
"Nunca é tarde demais pra começar tudo de novo."
"Que capacidade impiedosa essa minha de fingir ser normal o tempo todo."
"Antes de ler o livro que o guru lhe deu, você tem que escrever o seu."
"É pena eu não ser burro... não sofria tanto."

 Discografia

  • 1968 - Raulzito e os Panteras
  • 1971 - Sociedade da Grã-Ordem Kavernista Apresenta Sessão das 10(com Sérgio Sampaio, Míriam Batucada e Edy Star)
  • 1973 - Os 24 Maiores Sucessos da Era do Rock
  • 1973 - Krig-Ha, Bandolo!
  • 1974 - O Rebu (Trilha sonora original - Raul Seixas & Paulo Coelho)
  • 1974 - Gita
  • 1975 - 20 Anos de Rock (Reedição de Os 24 Maiores Sucessos da Era do Rock)
  • 1975 - Novo Aeon
  • 1976 - Há 10 Mil Anos Atras
  • 1977 - Raul Rock Seixas
  • 1977 - O Dia Em Que a Terra Parou
  • 1978 - Mata Virgem
  • 1979 - Por Quem Os Sinos Dobram
  • 1980 - Abre-Te Sésamo
  • 1983 - Raul Seixas
  • 1983 - Raul Vivo
  • 1984 - Metrô Linha 743
  • 1985 - Let Me Sing My Rock And Roll (Coletânea lançada somente em LP)(reeditado como "Caroço de Manga" em LP e CD)
  • 1986 - Raul Rock Volume 2
  • 1987 - Uah-Bap-Lu-Bap-Lah-Béin-Bum!
  • 1988 - A Pedra do Gêneses
  • 1989 - A Panela do Diabo (com Marcelo Nova)

 Álbuns póstumos

  • 1991 - As Profecias
  • 1992 - O Baú do Raul (Raridades)
  • 1993 - Metamorfose Ambulante (Coletânea)
  • 1997 - Caminhos (Coletânea)
  • 1998 - Documento
  • 2002 - Anarkilópolis
  • 2004 - Raul Seixas- Série BIS Duplo
  • 2009 - 20 Anos sem Raul Seixas

 Álbuns ao vivo

  • 1984 - Ao Vivo - Único e Exclusivo
  • 1991 - Eu, Raul Seixas (Show na Praia do Gonzaga, Santos, 1982)
  • 1993 - Raul Vivo (Reedição de Ao Vivo - Único e Exclusivo com faixas extras)
  • 1994 - Se o Rádio Não Toca (Show em Brasília, 1974) Caixas
  • 1995 - Série Grandes Nomes: Raul (Caixa com 4 CDs e livreto ilustrado)
  • 2002 - Maluco Beleza (Caixa com 6 CDs e livro ilustrado)

 Covers e interpretes

  • Biquini Cavadão, o Carimbador Maluco
  • O terço, várias
  • Ney Matogrosso, Mata virgem
  • Simone, Prelúdio
  • Rita Lee, Gita
  • Caetano Veloso, Maluco Beleza
  • Sandra de Sá, Tente Outra Vez
  • The Fevers, Eu Nasci Há Dez Mil Anos Atrás
  • Zé Ramalho, Ouro de Tolo e Metamorfose Ambulante
  • Paulo Ricardo, How Could I Know
  • Elba Ramalho, S.O.S.
  • Erasmo Carlos, Medo da Chuva
  • Falcão, Tu És o MDC da Minha Vida
  • Deborah Blando, A Maçã
  • Raimundos, Não Pare na Pista
  • Ultraje a Rigor, Rock das Aranhas
  • Sergio Souto, Gita, Trem das Sete e Metamorfose Ambulante
  • Baseado em Blues, Como a vovó já dizia
  • Blues Etílicos, Canceriano sem Lar
  • Lobão, o Rock do Diabo
  • Mister Jack, Trem das Sete
  • Secos e Molhados, Metamorfose Ambulante




 CANÇÃO TREM DAS SETE.....



Raul Seixas

Composição: Raul Seixas
Ói, ói o trem, vem surgindo de trás das montanhas azuis, olha o trem
Ói, ói o trem, vem trazendo de longe as cinzas do velho éon
Ói, já é vem, fumegando, apitando, chamando os que sabem do trem
Ói, é o trem, não precisa passagem nem mesmo bagagem no trem
Quem vai chorar, quem vai sorrir ?
Quem vai ficar, quem vai partir ?
Pois o trem está chegando, tá chegando na estação
É o trem das sete horas, é o último do sertão, do sertão
Ói, olhe o céu, já não é o mesmo céu que você conheceu, não é mais
Vê, ói que céu, é um céu carregado e rajado, suspenso no ar
Vê, é o sinal, é o sinal das trombetas, dos anjos e dos guardiões
Ói, lá vem Deus, deslizando no céu entre brumas de mil megatons
Ói, olhe o mal, vem de braços e abraços com o bem num romance astral
Amém......





"NESSA CANÇÃO POÉTICA ...RAUL  ENFATIZA UMA INTERAÇÃO ENTRE A FIGURA MÍSTICA DO TREM ...QUE SIGNIFICA ....O CONDUTOR DESSE MUNDO PARA O ALÉM VIDA...OU SEJA ...A MORTE E PÓS MORTE ..QUANDO SE ESPERA A CONDUÇÃO ..PARA  VÁRIAS ESTAÇÕES..DO MISTÉRIO DA MORTE TERRENA ...E NOVA COLOCAÇÃO DO ESPÍTITO ...PARA SEU DESTINO CERTO E PRECISO... ELE CITA O NÚMERO SETE ....PARA DESCREVER TUDO QUE O SER HUMANO   REPRESENTA .....INTERTEXTUALIZANDO COM GIL VIVENTE "NA OBRA O AUTO DA BARCA DO INFERNO ..EM QUE TODOS TINHA COMO CONDUTORES DUAS NAUS ...UMA SIMPLES..E OUTRA SUNTUOSA ....DEPENDENDO DA ESCOLHA ....DA PESSOA ..IRIA PARA SEU LUGAR QUE ERA DE DIREITO DELA.....OU SEJA ..NADA MAIS ÉH O QUE UMA VIAGEM QUE TODOS FARIAM  QUANDO A MORTE TERRENA...E CADA UM TEM SUA ESTAÇÃO CERTA ..DA QUAL ERA DE DIREITO QUERENDO OU NÃO .....QUE RESSALTA O BEM E O MAL....O TEXTO POÉTICO POSSUI TRAÇOS SURREALISTAS ,,,,E CONTRIBUIÇÃO DAS FILOSOFIAS DE FREUD...SOBRE SONHO COM TRENS...QUE NÃO ÉH O CASO DA CANÇÃO DE RAUL ..MAS PODEMOS FAZER A INTERTEXTALIDADE....."





SIGNIFICADO DO NÚMERO SETE





O símbolo gráfico sagrado e perfeito (segundo Pitágoras) de qualquer manifestação do Divino  na Terra como no Cosmos.
Temos:
os 7 dias da Criação do Mundo,
os 7 Raios da Luz Sem Fim,
o “7º Céu”,
os 7 Arcanjos do Trono de Deus,
os 7 degraus da Escada de Jacob referidos na Bíblia que representam
os 7 Planetas Sagrados com Aura astro-etérea de ascenção astrológica por onde temos de passar até chegar á Perfeição... 
Na Terra temos:
as 7 cores do Arco-Iris,
os 7 dias da semana,
as 7 notas musicais,
as 7 artes,
os 7 ‘chakras’ do corpo humano,
os setes grupos de vértebras,
os 7 orifícios no crânio,
as 7 virtudes humanas,
os 7 pecados capitais,
os 7 anos de idade para cada fase da mudança de personalidade, etc.. 
  Se estiveres atento verás que…,
 tudo se processa no Universo dentro dum ritmo Septenário.


 



















3 comentários:

  1. Raul extraordinário!!! eu não sabia que o número sete era tão importante e que esta música do Raul tem coisas a ver com o além !!! adorei!beijos

    ResponderExcluir
  2. analisa se vc não acha que esta letra faz referência à volta de Jesus.....

    ResponderExcluir